Advertisements

Que história surreal! Mês passado, Jim McKay foi à uma loja de penhores que fica no Texas (EUA), para realizar um projeto de sua universidade, e para isso ele precisou comprar uma fita videocassete.

Jim encontrou na fita momentos em que um bebê estava prestes a dar seus primeiros passos, e 1990. E ele não queria rebobinar a fita pois estaria perdendo o momento importante de alguém.

McKay decidiu então ir em busca do dono da fita.

“Eu assisti a coisa toda. Foram 18 minutos de tempo glorioso em família e foi incrível”, contou Jim. “Foi um momento tão legal e bonito que eu tive que fazer algo com isso, algo que eu não podia simplesmente dizer: ‘Isso é incrível’, coloque-o em uma caixa e esqueça-o. Essas pessoas são novas o suficiente para ainda estarem vivas. Talvez eles queiram ter a filmagem de volta”, imaginou.

“Era diferente naquela época”, falou mais um pouco sobre. “As pessoas não filmavam tudo como fazemos agora. Isso era reservado para ocasiões especiais. [E o vídeo] era muito [grosseiro] e real. Tem um certo estilo que não entenderíamos hoje em dia.”

Advertisements

O vídeo foi gravado exatamente no dia 27 de setembro de 1994, e para encontrar o dono do videocassete ele divulgou em diversos folhetos e compartilhou varias vezes em suas redes sociais.

“É um momento muito importante na vida da criança e nunca mais acontecerá de novo para essa família. Eu simplesmente me apaixonei. Acho que eles são incríveis e se eu puder ajudá-los e trazer isso de volta, seria o fechamento perfeito”, disse Jim.

E ele conseguiu encontrar o dono da fita, no último domingo(2), McKay postou uma foto mostrando o “bebê”. Alexander, o bebê da gravação, foi quem telefonou para ele. Com os vídeos que foram postados em seus noticiários, decidiu entrar em contato com ele.

“Minha mãe me ligou e disse ‘Ei, você sabia que está na TV agora?’”, contou Alexander. “Eu fiquei tipo, ‘não é possível’, e foi aí que eu percebi que era meu pai no vídeo.”

Alexandre, o bebê do vídeo, trabalha hoje como professor e faz alguns trabalhos voluntários. “Ser capaz de compartilhar essa memória, daquele tenro momento, com minha família, é um tesouro”, disse ele contente.